Conheça “To Ash” – o game que abordada de forma didática, os estágios do luto

Avatar

20151130to-ash-634x335

Para algumas minorias mais conservadoras, games podem ser vistos de uma forma negativa, e até mesmo acusada de gerar inúmeros casos de homicídio. Mas, para quem gosta do mercado – ou mesmo o compreende – , os jogos eletrônicos podem ser uma alta fonte de enriquecimento cultural.

Mesmo não sendo uma proposta um tanto quanto comum, o game To Ash (tradução seria, Ao Pó) irá trazer uma temática um tanto quanto sombria, mas que sim, é um problema real: como lidamos com a morte.
O idealizador do projeto, o terapeuta Kyle Ballentine, está desenvolvendo o game utilizando-se da ferramenta RPG Maker, e duas versões do mesmo jogo serão lançadas:
Uma irá conter a campanha mais completa, trazendo batalhas contra inimigos e todo o conteúdo de um bom RPG. E a outra será focada na resolução de puzzles e na história.

Mas ai você deve se perguntar: “mas e como um game com essa temática irá abordar um assunto tão controverso”. E é justamente ai, que vem a grande sacada.
Se formos analisar os RPGs até hoje, todos eles começam com uma dificuldade moderada, e terminam com uma dificuldade maior, correto?! To Ash, irá funcionar da seguinte forma: O seu personagem já começa em um nível razoavelmente alto, e esse nível vai baixando – isso se deve ao fato do protagonista já estar ficando mais velho, cansado, e se despedindo da vida, e aceitando o seu destino. Então, aos poucos, vamos perdendo nossas habilidades, poderes, força, defesa, até o ponto em que o personagem aceita que sua vida, está no fim.

Ao invés de se tornar mais forte, você ficará mais fraco a medida que avança. O personagem principal está velho e morrendo, então na verdade você regride e perde habilidades com o tempo.

Eu trabalho em um ambulatório de um hospital para doenças mentais graves. Trabalho principalmente com esquizofrenia, depressão severa, pacientes suicidas, transtornos de ansiedade e bipolaridade. Várias habilidades de enfrentamento para ansiedade e depressão envolvem aceitar aquilo que você não pode controlar.

Segundo Ballentine, o grande desafio, foi fazer com que o game continuasse de forma relevante mesmo depois do personagem principal ir perdendo suas habilidades, mas que por um lado, deixa com que o jogador bole diferentes estratégias durante o seu gameplay.

A campanha do jogo tende a variar de 6 a 10 horas, e sairá para PC e Mac em fevereiro de 2016. O game irá abordar vários estágios do luto, como a negação e a raiva, e traz uma mecânica de gameplay muito diferente do habitual. Vale a pena conferir!

Fonte: Meio Bit