Trilhas sonoras que marcaram – Parte 1

Avatar

Lightning_headphones
O que faz um jogo ser memorável? Quantos jogos ficaram na memória, por alguma característica única? Perguntas um tanto quanto difíceis de serem respondidas, não é mesmo?
Há alguns que julgam que bons gráficos, geralmente são o motivo de alguns games terem destaque. Outros, uma história imersiva, e bem construida. De fato, esses são aspectos que fazem o conjunto da obra ser o que ela é. Mas imaginamos que o jogo possui bons gráficos, uma excelente história… Mas e a trilha sonora?!
Portanto, preparei uma lista com alguns jogos que tiveram suas trilhas marcantes, complementando a obra de maneira maestral.

OBS.: A lista não segue uma ordem de preferência, mas foram os games que fui recordando e incluindo. Me perdoem se faltou algum game, mas são tantos que muitas vezes é difícil lembrar dentro do imenso mar das trilhas.

1 – Super Mario Bros. (série) – É inegável que, gamer que se preze, conheça uma das mais famosas trilhas sonoras. Super Mario Bros. Apesar de seguir a mesma linha, tem uma trilha tão marcante, que é muito difícil que alguém não conheça. Até sua mãe ou seu pai (ou por que não, os dois) sabe cantarolar o tema principal dos irmãos Mario.
O responsável por essa mágica sonora, é  Koji Kondo, que não só compôs para o famoso encanador, mas também foi responsável pela trilha de “Star Fox”, e “The Legend of Zelda”.

2 – The Legend of Zelda (série) – Esse é mais um exemplo de game com pouca coisa que se pode reclamar. Zelda é o tipo de série “ame-a, ou deixe-a”. Mas é inegável que sua trilha não marcou algumas gerações.
Entre tantos games da saga, acredito que a que mais me marcou foi do game “A Link to the Past”, que consegue em sua melodia, transpassar todo o clima das dungeons que estão sendo exploradas: castelos e calabolsos tem um tema musical mais tenso, e que passam uma certa sensação de tensão. Temos também, as cavernas, que tem uma música mais tensa, mais misteriosa. Assim como o mapa principal de Hyrule, que mostra uma trilha mais “clean”, mais leve, e que passa uma sensação mais feliz e tranquila.
Já outro game que traz uma excelente trilha, é “Ocarina of Time”. Quem conhece, até hoje sabe o que é cantarolar os temas que são necessários tocar (literalmente). Além de trazer o mesmo clima de “A Link to The Past”, temas que nos passam as situações que Link está enfrentando naquele momento.
Outro grande exemplo de trilha marcante, foi o de “Twilight Princess”.  Ouso dizer que, esse episódio de “The Legend of Zelda”, tem uma das trilhas mais marcantes da série. Quisá mais marcante que os principais episódios, como os que citei acima (Não me maxuquem, por favor).
A música que embala os combates contra os chefes, faz você liberar toda a adrenalina que há em você. Os momentos tensos também são embalados por uma sonoridade que faz o jogador prender a respiração. Jogue, e confira!



3 – Final Fantasy (difícil é dizer qual é o melhor, haha) – RPGs sempre são carregados por músicas marcantes, e que combinam com o clima de conflitos que o segue. A série Final Fantasy sempre teve trilhas que ficaram na memória de muitos fãs (e também jogadores casuais). A própria “Victory Fanfarre”, que é o tema de vitória das batalhas, é uma marca da série.
É difícil em meio à tantos episódios, dizer se há um melhor. Mas eu vou citar alguns que eu considero como meus prediletos.
Final Fantasy VIII” foi um dos FF que mais joguei (tanto em horas, como em números de vezes), e apesar de poucos apreciarem sua história “mela-cueca”, eu achei um universo fantástico e merecedor de integrar o hall dos “games com melhores trilhas”. A música de abertura, “Liberi Fatali” é uma obra de arte. Ponto.
“Liberi Fatali” é o tipo de música que você certamente gostaria que tocasse no seu casamento. Ou na sua formatura. Ou em qualquer momento supremo da sua vida. Por que ela é o tipo de música que serve para dizer o quanto você é mega f*da pra c*ralho.
Além desta música de abertura, o game conta com uma bela trilha, muito bem trabalhada, que encaixa muito bem nas cidades visitadas, nas batalhas contra os chefes (quem não lembra do tema da luta contra o Bahamut nunca se cagou inteiro saberá o que é temer um chefe).


Outro game da mesma série que posso dizer que foi marcante, musicalmente falando, foi “Final Fantasy VI”. Apesar do game ter sido lançado em uma época onde as limitações eram muitas, Final Fantasy VI trouxe lindas melodias, que exploram todo o sentimento que o game quer passar. Momentos de euforia, de tensão, de tristeza, de decepções… Enfim, tudo o que não era possível fazer em expessões (ou o que era possível, era muito limitado) faceais com os personagens, podia-se transparecer com uma trilha mais alegre, ou mais triste.
O ponto forte desse game, é sem dúvida, na Opera House, onde temos que parcipar da trilha sonora, que é nada mais, nada menos que uma peça de Opera. A maestria nessa parte, é algo sublime, e que sem dúvida, marcou muitas pessoas.

Outro Final Fantasy que tem uma trilha marcante, é “Final Fantasy IV”. Esse FF eu tenho um certo carinho especial. Isso por que, foi um dos primeiros que terminei. E está na minha lista de games preferidos. Tanto pelo conjunto da obra, quanto por sua marcante trilha. Uma das músicas que mais me lembro, foi quando Cecil encontra Golbez, e uma sinistra trilha (digna de filmes do Drácula, fica tocando ao fundo). Essa música me ensinou uma coisa:
Se você quer ser um chefe f*dão, tenha uma trilha de borrar cuecas!

O responsável por toda essa tempestade de notas bem executadas: Nobuo Uematsu. Um dos gênios da Square-Enix, responsável por praticamente todas as trilhas da saga Final Fantasy.

4 – Castlevania  Symphony of The Night –  É difícil se focar em apenas um episódio dessa série, por que toda ela é recheada com músicas marcantes. Quem nunca jogou um Castlevania sequer, que atire a primeira pedra. E quem nunca ouviu uma música de sua vas trilha, que atire duas!
Castlevania é o tipo de game que te transporta para um mundo gótico e sombrio, então, não espere trilhas animadas, de um dia radiante de sol em que as gaivotas voam sobre o límpido mar de verão. Não, isso não existe aqui.
Se pegarmos os primórdios da série, onde cenários como velhas construções medievais, cemitérios, pântanos são mais presentes, se pode notar uma trilha mais obscura. Mais densa.
Mas chega de lorotas e vamos ao que interessa
Bom, um dos jogos dessa série que eu particularmente acho a trilha mais marcante, é Symphony of the Night. Isso por que, como o Playstation tinha o uso de mídias de CD, ficava muito mais fácil, e até livre, de se criar uma trilha mais elaborada. Então, espere uma trilha sonora com tudo o que há de melhor. Temos uma pegada mais rock nas lutas contra os chefes, em alguns lugares como cavernas e catacumbas, um trilha mais densa, com um toque de mistério, e outras levadas mais a música clássica. Dessa parte, destaco como a minha música favorita deste game, o tema da Long Librally, que é sem dúvida, uma das músicas que faz com que os jogadores sejam transportados aos tempos de Mozart, ou Beethoven. Uma obra de arte para ser consumida com os tímpanos.
Outra música que marcou dessa trilha é “Alucard’s Theme”, que é a música que apresenta o filho do Conde Drácula aos players. Uma música que tem uma pegada meio rock oitentista, com uma pitada de música clássica.
Mas acho que nenhuma trilha desse episódio é tão pesada como “The Clock Tower”. O que é até um aviso: Se você é hábil o suficiente para tocar esse tema, certamente é bastante habilidoso para enfrentar essa área do game. Quem curte um bom Heavy Meta, certamente irá se indentificar com essa faixa.



A trilha desse game foi composta por Michiru Yamane, que é uma conhecidissima compositora dentro do mundo dos games, também contribuindo para a trilha do game Suikoden.

6 – Chrono Trigger –  Aqui está outro exemplo da época dos 16 bits que, mesmo com todas as limitações da época, espanta. A trilha sonora de Chrono Trigger é algo até difícil de explicar, e tudo por que? Por que é uma trilha que começa tímida, e aos poucos vai te surpreendendo.

Mesmo começando tímida, você já nota uma trilha sonora gostosa de se ouvir. Eu mesmo já consumi ela, enquanto navegava na internet. Chrono Trigger tem aquele tipo de trilha que até mesmo os momentos difíceis, te fazem ficar empolgado.
Quem, em sã consciência que jogou o game, não lembra do tema de Frog?! Aquela música é a do tipo que “Se você perdeu o irmão, foi transformado por um sapo, todos te acham nojento e asqueroso, e você não consegue beijar princesas, ANIME-SE, PODIA SER PIOR!

Outro tema que ficou marcado na memória, é sem dúvida, o tema do Robo. Aquele tema é o cúmulo da animação! Se você já escutou “Karma Camaleon”, do Boy George, comendo chocolate enquanto assiste “Querida, encolhi as crianças”, é mais ou menos a mesma sensação de animação. Só que maior.

E claro, acredito que da sessão “temas de”, temos o tema do Magus. Aquele tema, transpassa o sentimento de “MORRA HUMANIDADE”. É sério. Aquele é o tipo de trilha que consegue passar o que o personagem está pensando DO JOGADOR. E Magus pensa que você é um verme insolente, fraco, com menos de 8000 de enegia.

Mas, saindo um pouco do mundo dos “temas”, a trilha sonora do game, encaixa perfeitamente nas situações, e isso se inclui diretamente aos mapas. Como o jogo trata de viagens no tempo, cada um dos mundos que se pode visitar, tem seus temas principais. Temos 1000 AD, que é um mundo “normal”, e que tem uma trilha completamente leve, e gostosa.
Passando para 600 AD, onde o mundo está numa espécie de “era das trevas”, tem uma música leve, mas com pequenos toques melancólicos, que passam a repressão que as pessoas vivem nesse período.
Em 2300 AD, temos um mundo que passou por um gigantesco cataclisma, e tudo o que conhecemos de belo e natural, acabou se desvanecendo. E a trilha sonora desse período é densa, e repleta de referências e sons futuristas.
Passamos então para 65.000.000.000 BC , onde o mundo é dominado por duas raças: répteis e humanos. Os primórdios da humanidade estão aqui, e o único som que se sabe reproduzir, e que embala a trilha desse período, é o som da percurssão.

Resumidamente: Chrono Trigger tem uma das mais belas trilhas já idealizadas pela Squaresoft (na época), que ficou a cargo de (mais uma vez) Nobuo Uematsu e Yasunori Mtsuda.

7 – Megaman (série) – A série Megaman, além de ser conhecida pela sua jogabilidade frenética e por sua dificuldade, também tem uma trilha sonora marcante.
Desde a escolha das fases, onde eram apresentados os chefes, até as próprias fases dos chefes… Certamente, alguém uma hora ou outra, se lembra daquela fase filha da mãe, e começa a cantarolar a fase do “bem-dito”.
Se eu pudesse aqui, deixaria uma enorme lista com as trilhas que me marcaram, mas, como o espaço é curto (e a paciência de vocês pra ler até aqui, também), vou citar algumas, da série principal, e da série X.
Eu infelizmente não tive a oportunidade de jogar os primeiros games da série (e confesso que tive preguiça de baixar um emulador pra jogá-las também), então, o episódio que mais joguei da saga principal, foi Megaman 7 do Super Nintendo. E lembro que uma das trilhas que mais me marcou foi a da fase do Junk Man. Ela tinha um clima de “estou numa fábrica de robôs, ho ho ho”.
Outra grande trilha é a da fase do Freeze Man, que parecia que você estava descendo uma montanha num snowboard, pelado, comendo um sanduíche de presunto enquanto ajeitava o gorro do Chaves. Um música bastante animada e que certamente muitos fãs ainda lembram dela.

Uma das frases desse episódio que me remete bastante à Castlevania, é a da fase de Shade Man (o vampirinho, crianças). Era como estar jogando um hack do game da Konami, com o robozinho azul no controle. Quem jogou, sabe do que estou falando.

Quanto à Megaman 8, que foi outro game que joguei da série (já no Psone), não posso dizer o mesmo. Mas calma, não que a trilha sonora não seja boa, nada disso. Mas ela ficou mais parecendo como uma trilha reaproveitada de algum anime que não deu muito certo. Apesar de encaixar com as fases, as trilhas de Megaman 8 lembram muito trilhas sonoras de animes para meninas (pense em Sakura Cardcaptor, por exemplo).

Já da série X, temos excelentes trilhas sonoras, que já chega arregaçando tudo com a música da fase “Central Highway”, mostrando todo o frenesi que o jogo irá oferecer. Fases como a do vilão Armored Armadillo, lembra muito o ritmo de um Jazz de cabaré (ou algo assim).

Em Megaman X5 (que é o meu game preferido da série X), temos trilhas como “Monkey”, que abre o game, mostrando um J-Rock muito bem executado pela banda “Mosquito Milk”.
E isso segue, basicamente, todo o game, com um trilha mais pesada, no mais puro rock n’ roll, como é possível ver nas fases dos chefes Squid Adler. Mas acho que muitos se indentificam com a fase de Infinity Mijinion, onde o início dessa trilha, é uma releitura (praticamente), de The Final Countdown, da banda Europe.

8 – Chrono Cross – Eu realmente durante a confecção desse texto, queria deixar esse game por último. Eu não sei como devo nomear a trilha sonora de Chrono Cross. Mas acho que o termo mágica, é resumidamente o que ela é.
Chrono Cross foi o game que me fez gostar de trilhas sonoras. E quando eu falo trilhas sonoras, eu me refiro à todo o tipo: de games, de filmes, de séries, de desenhos, de animes, de jogos de xadrez, de leituras de livros… Enfim, tudo onde é possível haver música.
Isso por que a trilha desse game FOI UMA DAS MAIS PERFEITAS QUE EU JÁ ESCUTEI NA CURTA PASSAGEM QUE ESTOU TENDO NA TERRA!!!!!!!!!!!

Se você é um apreciador dessa arte, sabe do que eu digo.

Cada vez eu eu ouço “Time Scar”(a música de abertura do game), é como se eu escutasse mil solos de “November Rain” do Guns n’ Roses, enquanto assistia “Marley e Eu”.
Sério galera, se eu pudesse eleger a melhor trilha sonora de games de todos os tempos, eu daria o prêmio à esse jogo.
Tudo, absolutamente tudo, é perfeito no que se diz aos arranjos. A trilha das batalhas é uma das trilhas mais empolgantes dos games, além é claro, das melodias de violão que são apresentadas ao longo do jogo.
E o tema do mapa?! “Dream of the Shore Near” é o tipo de música, que você vai querer que toque no seu enterro ou velório, pra tocar fundo na alma das pessoas ali presentes.

Em resumo, a trilha completa de CC é aquela do tipo “arrepia a espinha”, tanto para se ouvir no ônibus indo para o trabalho, ou simplesmente, para relaxar.

E quem é a mente por trás disso?! Yasunori Mitsuda, que se consagrou como composito ao estrear como compositor ao lado do mestre Nobuo Uematsu na trilha de Chrono Trigger!

9 – Donkey Kong Contry 2: Diddy’s Kong Quest – Sim amigos, aqui eu decidi focar em um único game. Mas isso não significa que a trilha sonora dos outros games sejam ruins ou algo do tipo, ao contrário e MUITO LONGE DISSO! Mas, entre a trilogia principal, eu tenho uma imensa preferência por DKC 2. O clima da trilha sonora desse game combina bastante com o seu clima: SOMBRIO. Se há um DKC no mundo que seja mais sombrio que o segundo episódio, me apresente.
DKC 2 já na abertura sai estourando tímpanos com sua “intro” intitulada “K.Rool Returns”, mas o ponto alto, é a música tema do mapa do jogo, “Welcome to the Krocodile Island”, que sem dúvida, muita gente deve recordar até hoje.
Há também a ótima “Lockjaw’s Saga”, que é a música tema da fase onde a água sobre, e há um peixe mordedor abaixo de você.

Mas sem dúvida, a música mais memorável deste game, é “Brambles”. Certamente muitos que estão lendo esse texto, e que amam videogames, já devem ter incluído Brambles à sua playlist do iPod. Eu confesso que já fiz isso. Várias vezes. Como agora, por exemplo!

A trilha sonora desse game, é composta por David Wise, que diz utilizar uma espécie de técnica de composição que mescla sons ambientais, com música eletrofunk.

10 – God of War (saga) – É claro que se vamos falar de trilhas sonoras, temos que falar de God of War. “Ah Vinícius, mas God of War é um jogo muito recente pra entrar nessa lista”. Ai eu pergunto: E daí?! Não estamos discutindo idade, mas sim, a qualidade de uma boa trilha. E GoW é o tipo de game que tem uma trilha que combina com seu conteúdo: algo grande.

Se você pegar os cenários, as situações pela qual Kratos passa no jogo inteiro, pelos seus inimigos de proporções ccolossais, verá que toda a trilha, os corais, a forma orquestrada, tudo se completa.

As músicas de abertura de God of War já dão um exemplo do quão a aventura de Kratos será épica. Portanto, não julgue que ele é apenas um game “esmaga botões e linear”. Sente, jogue, e aproveite a vista com uma bela trilha sonora!

11 – Rock n’ Roll RacingJogos de corrida geralmente tem um apelo não só visual, mas sonoro. Need for Speed que o diga, já que traz uma infinidade de músicas de bandas de rock e metal bem conhecidas mundo à fora. Mas isso tudo teve um início. E Rock n’ Roll Racing foi um dos primeiros games a trazer esse tipo de trilha para o mundo dos jogos.

Quem nunca, nunca bela tarde de sábado, com os amigos e primos, ligou o Super Nintendo, pegou o controle, e enquanto ouvia os riffs marcantes de “Paranoid”, tentava destruir os carros adversários?!

Ou quem nunca, embalado pelos riffs de “Born to be Wild”, cantou vitória antes da hora, e acabou sendo explodido por aquele primo ranhento que usava Havaianas com um prego na sola?
A trilha desse game se resume em uma palavra: “DIVERSÃO”. Apenas isso.

12 – DmC: Devil May Cry – Mais um exemplo de game recente, mas que bebe da fonte de seus antecessores e não faz feio. Quando DmC foi anunciado, uma enxurrada de críticas negativas caiu sobre o jogo. E aposto que muitos que estão lendo isto, também criticaram o game à primeira vista.
Quando eu vi o que fizeram à Dante, eu pensei: “Bom, vamos esperar, pra ver se há como se surpreender”. E de fato, isso aconteceu.
Quando eu peguei a cópia de DmC, e comecei a jogar, eu já me encantei pela trilha do game, que casa muito bem com o jogo. Um estilo frenético de música. Levadas de Hardcore com música eletrônica.
O game é praticamente um Rave jogável, e isso se torna ainda mais concreto quando você chega ao “Lillith’s Club”.

A trilha desse game é composta por dois grupos: O CombiChrist, que se encarrega das passagens mais Rock do game. E o NOISIA, que é o grupo que fez a trilha mais “tchunt tchunt”.

Bom pessoal, eu espero que, tenham gostado desse texto (por que ele consumiu 6 horas do meu dia, pra estudar as trilhas de alguns games que eu já não lembrava),  e por favor, compartilhe com seus amigos e divulgue. Isso fortalece e muito, a continuação deste espaço.

Sinto muito por não ter incluído mais alguns games nessa lista, por isso, que em breve, estará disponível a Parte II.
Recomende um game para o próximo texto. Nos vemos em breve!