Samsung Odyssey – Conheça mais sobre a linha gamer de notebooks

Avatar

Para entrar no segmento de notebooks gamers, a Samsung lançou a linha Odyssey, ainda em 2017. O mercado foi evoluindo, os consumidores aumentando e por isso a empresa resolveu dar continuidade na série, lançando o Odyssey Z em 2018 e o Odyssey 2 em 2019, dando assim várias opções de configurações para todos os tipos de consumidores. 

Apesar de todos os aparelhos serem voltados para jogos, cada um possui suas peculiaridades e diferenças, além de existirem modelos iguais com configurações diferentes, ajudando a atender o maior número possível de gamers. Hoje vamos entender cada um desses modelos, mostrar suas diferenças e performances no que realmente importa aqui: jogos. 

Construção e design

No primeiro modelo Odyssey, a Samsung optou por um design mais gamers, misturando o preto com retroiluminação vermelha em alguns pontos do notebook (logos, teclado). A empresa acabou fazendo a carcaça do aparelho em plástico e foi duramente criticada pelos consumidores, afinal os modelos não eram baratos e ter uma construção em plástico para o preço que era cobrado era quase um “insulto” para o consumidor. 

A empresa colheu o feedback e trouxe melhorias no Odyssey Z, que chegou no mercado com um corpo todo em metal, linhas finas e um design geral mais discreto. Apesar dessas melhorias, a empresa colocou o teclado em uma posição bem diferente, bem afastado da tela com o touchpad na lateral. A justificativa para isso era dar um bom espaço em cima para ventilação do processador e placa de vídeo. Mais uma vez reclamações vieram a tona, pois se formos pensar é bem difícil e incômodo você usar um teclado de notebook sem ter uma base para apoiar o seu punho. O lado positivo é que esse problema poderia ser facilmente contornado com um teclado externo, que é o que praticamente todo o público gamer irá comprar para usar em qualquer notebook deste tipo.  

 

A Samsung tinha a tarefa de mais uma vez lançar um produto melhorado levando em conta todos os feedbacks do passado. O Odyssey 2 foi uma junção dos pontos positivos de sua primeira geração e da linha Z. O corpo continuava de metal, discreto, com linhas finas e bem elegante, enquanto que o teclado voltava para o seu lugar de origem. Para resolver o problema da ventilação, a empresa investiu mais no sistema de ventoinhas, que do primeiro modelo para o Z já haviam sofrido mudança de lugar dentro do aparelho, mas isso vamos falar mais a frente. 

 

 

Teclado e touchpad

Outro ponto que foi evoluindo com o lançamento de cada modelo foi a estética do touchpad. Primeiramente tínhamos um em forma de losango, com bordas exageradas e iluminadas com um led vermelho. No Odyssey Z, o touchpad foi para a lateral, sem muitos detalhes e com alguns botões de atalho logo em cima. Já no Odyssey 2, ele volta para o seu lugar de origem, mas sem estar no formato de losango e nada de led.

Outro ponto que sofreu algumas mudanças, mas não muitas foi o teclado do aparelho. No primeiro modelo, temos um teclado retroiluminado, com teclas ASDW marcadas e nada de teclado mecânico. Os consumidores esperavam a adição do recurso no modelo Z devido ao seu preço super elevado, mas novamente não recebemos uma opção mecânica. Aqui também tivemos uma perda: o teclado numérico não tinha espaço neste modelo graças ao touchpad lateral. No Odyssey 2 volta o teclado para o centro do aparelho, volta o teclado número, mas nada de ser mecânico. Pontos como esse fazem total diferença para os gamers, por mais que muitos usam teclados externos, o X da questão está mais em você ter o recurso disponível porque está pagando caro pelo aparelho.

De qualquer forma, os touchpads funcionam super bem e são precisos. Os teclados, principalmente da linha Z pra frente, são macios e possuem ótimas respostas. 

 

 

Refrigeração

Qualquer notebook gamer precisa ter uma ventilação adaptada e que funcione melhor que os modelos convencionais, pois aqui o usuário irá levar o aparelho ao seu limite. A Samsung fez isso desde o começo, com grades na parte debaixo mais abertas para uma melhor ventilação, ventoinhas duplas e mais saídas de ar, porém o primeiro modelo tinha um pequeno problema: esquentava bastante na parte do AWSD. 

Ali as ventoinhas eram localizadas no centro, e quando o aparelho esquentava bastante por estar rodando jogos pesados em configurações altas, o usuário rapidamente sentia a temperatura em seus dedos. A localização do teclado e mudança de posição das ventoinhas no modelo Z foi justamente para acabar com isso, além de contar com uma câmara de vapor com dissipação dinâmica, fazendo com que a energia se dissipe de forma mais eficiente. A solução era boa, mas como citamos anteriormente, acabou impactando no quesito de ergonomia do teclado e assim não foi muito aceito pelo público.  

No Odyssey 2 a empresa resolveu isso deixando as ventoinhas nas laterais assim como no Z, mas melhorando a qualidade e tecnologia das mesmas. Chamadas de Jet Blade, cada ventoinha tem 83 pás, que são feitas de polímero de cristal líquido. Essas pás captam o ar frio pela entrada de ar e elimina o ar quente pela saída. O volume de circulação de ar aumentou em 15% do último modelo pra cá.  

 

Modelos disponíveis

Como falamos anteriormente, essa possui três modelos diferentes, mas o Odyssey e Odyssey 2 possuem uma grande variedade de configurações, podendo atender desde quem precisa de um hardware mais simples até aquele jogador que quer rodar todos os jogos da atualidade em gráficos elevados. Montamos uma tabela com todas as configurações que estão disponíveis no Brasil, veja: 

 

Odyssey
NP800G5M-XT1BR NP800G5M-XT2BR NP800G5H-XT1BR NP800G5H-XT2BR NP800G5H-XG4BR
Processador i5 7300HQ i7 7700HQ i7 7700HQ i7 7700HQ i7 7700HQ
Placa de vídeo GTX 1050 com 4 GB DDR5 GTX 1050 com 4 GB DDR5 GTX 1050Ti com 4 Gb DDR5 GTX 1050Ti com 4 Gb DDR5 GTX 1060 com 6 GB DDR5
RAM 8 GB DDR4 8 GB DDR4 8 GB DDR4 8 GB DDR4 16 GB DDR4
Memória HD de 1 TB (5400 RPM) HD de 1 TB (5400 RPM) HD de 1 TB (5400 RPM) HD de 1 TB + SSD de 256 GB HD de 1 TB (5400 RPM)
Tela 15.6 Polegadas Full HD 15.6 Polegadas Full HD 15.6 Polegadas Full HD 15.6 Polegadas Full HD 15.6 Polegadas Full HD

 

Odyssey Z
NP850XAC-XT1BR
Processador i7 8750H
Placa de vídeo GTX 1060 com 6 GB DDR5
RAM 24 GB DDR4
Memória 512 GB de SSD
Tela 15.6 Polegadas Full HD

 

Odyssey 2
NP850XBD-XG1BR NP850XBD-XG2BR NP850XBC-XG1BR
Processador i5 9300H I7 9750H i7 9750H
Placa de vídeo GTX 1650 com 4 GB DDR5 GTX 1650 com 4 GB DDR5 RTX 2060 com 6 GB DDR5
RAM 8 GB DDR4 16 GB DDR4 16 GB DDR4
Memória HD de 1 TB (5400 RPM) HD de 1 TB (5400 RPM) + 256 GB de SSD HD de 1 TB (5400 RPM) + 512 GB de SSD NVME
Tela 15.6 Polegadas Full HD 15.6 Polegadas Full HD 15.6 Polegadas Full HD com 144 Hz

 

 

Desempenho geral

Quando falamos em desempenho geral avaliamos o que o aparelho entrega no dia a dia, sem estar focado nos jogos (que é para o que foram feitos). Mesmo no Samsung Odyssey mais simples, você ainda tem um hardware para conseguir executar tarefas cotidianas e até alguns aplicativos mais pesados como um Photoshop sem problema algum. Mas existe um pequeno problema que assombra grande parte das opções disponíveis no Brasil: falta de SSD já de fábrica.

Grande parte dos notebooks da linha que são vendidos aqui não vêm com este tipo de armazenamento já de fábrica. Em 2017, no lançamento do Odyssey, a marca deu como justificativa que na pesquisa de mercado que fez, aquelas configurações eram as ideais para o público brasileiro (isso mesmo público brasileiro, os modelos que são vendidos lá fora possuem configurações diferentes). É complicado engolir isso considerando que o preço dos modelos mais básicos ainda é bem salgado e era obrigação vir um SSD, mas com muito esforço até dá pra engolir isso lá em 2017, quando os SSD’s estavam começando a se popularizarem e assim caírem o preço. O problema é acharmos um modelo sem SSD em pleno 2019, como é o caso do mais simples entre os Odyssey 2. Já é quase que inadmissível que os novos notebooks que sejam pelo menos intermediários venham sem SSD, agora um notebook gamer do patamar deste da Samsung é mais triste ainda. 

O lado bom é que os aparelhos que não possuem SSD, possuem slots para que possa ser instalada este tipo de memória, e o preço avulso dessas está bem em conta hoje. Deveria já vir com o notebook? Deveria, mas já que não veio e você esteja interessado no aparelho, já compre com um dinheiro separado para fazer este upgrade, que é barato e fácil de ser feito.

Exemplo de mapa interno do Odyssey 2

 

 

Desempenho em jogos

Os primeiros notebooks gamers lançados pela Samsung ainda possuem configurações boas o suficiente para rodar vários jogos em uma boa qualidade hoje em dia. Mesmo os processadores de sétima geração da linha Odyssey ainda possuem ótimos desempenhos, isso aliado as placas de vídeo GTX 1050, que são as mais “inferiores” que temos disponíveis nos notebooks. Reunimos alguns dados de quantos FPS cada aparelho atinge em diferentes jogos, confira: 

 

Média de FPS em jogos rodados no Odyssey NP800G5M-XT2BR (GTX 1050)
GTA 5 CS:GO Fortnite Pubg The Witcher 3 Rise of Tomb Raider
Gráficos no Alto/Ultra 50 FPS 60 FPS 50 FPS 50 FPS 50 FPS 55 FPS

 

Média de FPS em jogos rodados no Odyssey NP800G5H-XT1BR (GTX 1050 ti)
GTA 5 Fortnite Farcry 5 Final Fantasy COD 2017 Assassin’s Creed Origins
Gráficos no Alto/Ultra 55 FPS 76 FPS 45 FPS 25 FPS 67 FPS 40 FPS

 

Média de FPS em jogos rodados no Odyssey NP800G5H-XG4BR (GTX 1060)
GTA 5 Overwatch Fortnite Farcry 5 Final Fantasy COD 2017 Assassin’s Creed Origins
Gráficos no Alto/Ultra 55 FPS 103 FPS 77 FPS 52 FPS 41 FPS 93 FPS 55 FPS

 

Média de FPS em jogos rodados no Odyssey Z NP850XAC-XT1BR (GTX 1060)
Battlefield 1 GTA 5 Fortnite Sniper Elite 4 Final Fantasy Rise of Tomb Raider Assassin’s Creed Origins
Gráficos no Alto/Ultra 50 FPS 55 FPS 80 FPS 50 FPS 45 FPS 40 FPS 55 FPS

 

Média de FPS em jogos rodados no Odyssey 2 NP850XBC-XG1BR (RTX 2060)
Red Dead Redemption 2 Fortine Forza 4 Dead Vision 2 Assassin’s Creed Odyssey
Gráficos no Alto/Ultra 45 FPS 80 FPS 85 FPS 50 FPS 55 FPS

 

No geral todos os modelos conseguem bons desempenhos em jogos. Os testes são feitos em gráficos altos para mostrar a total potência dos notebooks, mas é sempre recomendado que você faça várias configurações e abaixe alguns parâmetros para que o FPS fique mais instável. Não se preocupe, mesmo assim você ainda terá uma ótima qualidade gráfica. É importante salientar que todos esses testes são feitos com os aparelhos na tomada, pois o desempenho tem uma queda brusca quando são usados apenas na bateria. Os dados citados devem ser utilizados apenas como uma base e não como verdade absoluta, pois esses podem variar de acordo com atualizações, situações dentro de jogo e até configurações específicas. 

Assim como o SSD faz falta no uso geral, também é possível notar sua ausência aqui principalmente na hora de carregar os jogos. Em títulos que possuem muitas telas de carregamento, você irá ficar se perguntando a cada vez o porquê a Samsung não colocou um SSD em alguns desses modelos. Os jogos testados em sua grande parte são pesados, mas títulos mais leves como LoL, CS:GO ou Fortnite, você conseguirá jogar com gráficos no máximo em qualquer um dos notebooks, com o FPS acima de 60. 

Todos os aparelhos possuem um software da Samsung para configurações rápidas e definições de diferentes modos de jogo, que mudam as cores da tela para melhor experiência.

A partir do Odyssey Z, você também terá o Beast Mode, recurso que serve para dar uma turbinada no desempenho do notebook em jogos. Em alguns casos o ganho de FPS chega a 20 com este modo ativado, então aqui a mágica realmente acontece.

 

Tela

Desde a primeira edição do Odyssey, as telas são de 15.6 polegadas com resolução Full HD, painel IPS e recurso anti reflexo. Elas são boas, com cores vivas, ótimo tom, contraste bem regulado e um brilho consideravelmente forte. O problema é que gamers sempre querem mais, então sempre foi pedido para que a Samsung colocasse telas com uma taxa de atualização maior, recurso que influencia diretamente na jogatina.

A empresa atendeu isso apenas no Odyssey 2, estando disponível aqui para o Brasil apenas na versão mais cara. Ele possui uma tela com as especificações citadas acima e uma frequência de 144 Hz de taxa de atualização e recurso G-SYNC, que sincroniza a RTX 2060 com a taxa da tela, evitando tremulações e serrilhados durante os jogos. 

 

 

Bateria e áudio

 

A bateria desses notebooks gamers nunca é um ponto extremamente focado em reviews. Em média, você terá uma duração de três a quatro horas em um uso cotidiano, sem usar programas pesados e com brilho controlado. Caso opte por jogar, terá um desempenho bem limitado pelo aparelho e a autonomia de carga poderá nem chegar à duas horas, dependendo do quão pesado for o jogo. 

O áudio também não é um ponto que as marcas trabalham para entregar vários recursos neste caso. Mas em todos os modelos você encontrará um som de ótima qualidade, com alguns recursos que dizem melhorar algumas frequências, mas estão mais para um simples boost de volume. 

 

 

Conclusão

Os notebooks gamers ainda são alvos de várias discussões polêmicas na comunidade, isso porque são aparelhos que oferecem um custo x benefício muito baixo, ou seja, você recebe pouco pelo que paga. Apesar disso, os consumidores estão começando a entender que qualquer aparelho deste segmento será mais caro que a mesma configuração montada em um PC de mesa, pois parte do valor cobrado em notebooks é justamente pelo fato da portabilidade, de você poder levar o computador para qualquer lugar sem problema. 

Os aparelhos da Samsung são ótimas escolhas para quem busca modelos gamers e um lado positivo é a grande variedade de configurações que você pode encontrar. Existem alguns pontos negativos em cada um como citamos no texto, mas não é nada que não possa ser contornado afinal é difícil achar o notebook perfeito. 

Além da Samsung, diversas outras marcas investem neste segmento, então se você não se sentiu atraído pelo Odyssey, pode estar conferindo outros modelos nesta dos melhores notebooks de 2020.