Programador que teve projeto “Zelda Maker” derrubado surge com novo game

Avatar

Depois do enorme sucesso que Mario Maker conseguiu, os fãs da Nintendo clamavam a companhia que mais universos fossem transportados para a criação de suas próprias fases.
Um dos mundos mais solicitados, foi Hyrule, e que a Nintendo criasse um “Zelda Maker“, para que assim, fãs pudessem reimaginar o grande mundo criado pela empresa.

Porém, em resposta a esses inúmeros pedidos, a empresa disse que isso seria muito difícil de acontecer, já que Zelda é um mundo muito vasto, e que a criação de uma ferramente ao estilo “Maker” para ele levaria muito tempo.

Até que surgiu um programador chamado Justin Sink, que em 2015, iniciou por conta própria, aquilo que a Nintendo se recusava a dar ao seus fãs. Utilizando-se da ferramente Game Maker, Sink construiu uma interface e lançou no mesmo ano, totalmente online, “Zelda Maker”, que acabou fazendo um enorme sucesso, e todos os fãs adoraram como o game funcionava perfeitamente.

Mas, conhecendo a política de proteção de suas IPs, a Nintendo não gostou nada de saber que alguém já tinha ganhado notoriedade com uma de suas maiores marcas, e através das políticas de copyright, conseguiu remover do ar tanto o site do programador, como também todos os vídeos onde era demonstrado o processo de criação, e de funcionamento do game.
E claro, uma notificação da DMCA – o órgão que controla as patentes registradas – foi enviada ao jovem, solicitando a remoção geral e a paralização do projeto.

Em entrevista ao site Kotaku na época, Sink disse ter ficado bastante assustado com a notificação.
Eu fiquei apavorado quando aquilo (a notificação) chegou até mim, pra ser honesto. Pois eu já havia escutado diversas coisas ruins sobre como a Nintendo age com projetos de fãs, e com a censura.“, disse ele.

Porém, motivado por levar seu processo adiante, Zelda Maker não ficou em um passado obscuro de 2015. Sink então decidiu expandir seu projeto, e está criando um motor para fins de desenvolvimento de jogos em um nível fácil e acessível.
Além de ter que modificar muita coisa em seu projeto original, uma das principais mudanças foram os aspectos gráficos, que, apesar de inspirados em Zelda, receberam uma nova identidade.

Criar uma nova identidade foi meu maior desafio. Eu simplesmente não tinha habilidades técnicas suficientes para programar bem certas coisas. Tudo estava mal otimizado“, disse ele.

Após esses obstáculos vencidos, Sink conseguiu criar o que ele batizou de “Legend Maker“. E, à partir disso, ele começou a dar vida ao seu próprio jogo, chamado Runiya, um action-RPG com todos os elementos presentes na franquia Zelda.

Runiya espera levar uma “abordagem mais realista” para as histórias de fantasia. Nele, você irá encarnar na pele de um anjo caído que salvará as pessoas do Arrebatamento.

Para ajudar no projeto, Sink criou um Patreon onde as pessoas podem contribuir com uma quantia mínima, e para aqueles que contribuírem, poderão baixar uma versão inicial do jogo, que contém o modo “Maker”, onde os jogadores terão a possibilidade de criar suas próprias fases e compartilhá-las com a comunidade.

Você pode saber mais sobre o game clicando aqui.

Fonte: Kotaku