“Não podemos promover a violência” diz presidente da Comissão Olímpica sobre eSports

Avatar

Após o boom dos eSports que tomam os canais de stream da internet e canais de esportes da TV paga, muito se pergunta por quê a modalidade de esportes eletrônicos não pode ser inclusa em competições olímpicas.

De acordo com o presidente da Comissão Olímpica Internacional, Thomas Bach, o que impede os jogos de figurarem como uma categoria olímpica é a sua violência gráfica. Segundo Bach, para que jogos pudessem ter vez em competições olímpicas oficiais, todo o conteúdo gráfico referente a violência precisaria ser removido.

Não podemos ter no programa Olímpico um jogo que promova a violência ou a descriminação“, disse Bach em entrevista ao Associated Press.”Os chamados jogos de tiro ou que possuam cenas de mortes explícitas, no nosso ponto de vista, são contraditórios aos valores Olímpicos e por isso não são aceitos pela Confederação.

Entretanto, alguns esportes com um “teor violento” são aceitos dentro das competições, como é o caso da esgrima – modalidade na qual Thomas Bach é medalhista de ouro. Mas, ele rebate essas afirmações dizendo que esse esporte traz uma “expressão civilizada”.

Claro que todos os esportes de combate têm a sua origem em lutas reais. Mas o esporte é a expressão civilizada disto. Se existem jogos sobre matar o seu adversário, eles certamente não estão alinhados com os valores Olímpicos“.

As declarações de Bach vieram após o final dos Asian Games 2018, que teve sua fase final disputada em 2 de setembro. Esta foi a primeira edição a contar com jogos eletrônicos como modalidade, e trouxe atletas de Arena of Valor, Clash Royale, Hearthstone, League of Legends, Pro Evolution Soccer e Starcraft 2.

Alguns títulos trazem um teor mais violento, onde é preciso eliminar os inimigos, mas outros já se beneficiam da estratégia bolada pelo jogador, como é o caso de Hearthstone e Pro Evolution Soccer.

Fonte: Eurogamer