Conheça Osamu Tezuka, o pai do mangá moderno

Avatar

imagem 01
Muitos mangás não são conhecidos do público do ocidente. Muitos autores, tampouco.  Devido à dificuldade de tradução e apenas recente popularização na publicação de mangás aqui no Brasil, o trabalho de Osamu Tezuka é pouco conhecido da maioria dos brasileiros. Tezuka foi um dos primeiros grandes mestres – sendo um grande influenciador. Para se ter ideia (explicaremos adiante) até mesmo o sucesso da Disney, O Rei Leão, teve influências de seu trabalho.

Escritor, desenhista, médico, ator e pianista – essas são algumas de suas habilidades. Tezuka não inventou os mangás no Japão – contudo, pode ser dito que ele popularizou o gênero em terras nipônicas. Seu desenho é sempre claro, simples – mas objetivo e com enquadramento cinematográfico. Para se ter ideia de como ele foi importante e produtivo, Tezuka teve em sua obra cerca de 400 volumes – o que totaliza cerca de 80 mil páginas. Como dito acima na introdução, boa parte dessa obra sequer chegou a ser traduzida do original japonês.  Pensando nisso, vamos lembrar aqui três obras do autor – uma, Astro Boy, com certeza você conhece. As Outras duas não são todos que vão lembrar de imediato. Vamos lá?

imagem 02

Astro Boy

Com certeza o trabalho mais conhecido de Tezuka no ocidente, Astro Boy é a sequência (um spin off) de outra obra, Captain Atom. No início da década de 1960 (em 1963, para ser mais exato), Astro Boy marca a estreia do primeiro anime em televisão japonesa (e por tabela, no mundo). Ou seja, foi o primeiro programa comercial animado no Japão – em trinta minutos como os outros até hoje o são e semanalmente.

 Astro Boy é reputado como o principal responsável pela primeira mania de animes no Japão – de toda sorte, vale lembrar que no Brasil a única versão exibida foi a de 2003, não a original da década de 1960, quando Tezuka ainda estava vivo. Aliás, aqui no Brasil você deve se lembrar de “O Menino Biônico” nos anos 1980 – esta não é a série original, mas, sim outra que não tem relação direta com o trabalho de Tezuka.

Para você que nunca assistiu Astro Boy trata de um mundo futurístico no qual androides – ou seja, robôs com aparência humana – convivem com nós, seres humanos. O objeto do anime (e anteriormente, manga) é um robô/androide chamado “Atom”. Bastante poderoso, ele foi criado por Dr Tenma para substituir em sua vida um filho perdido por acidente. O clímax do enredo se dá de maneira que Atom não pode substituir integralmente um ser humano – porque não podia crescer, por exemplo. É um dos trabalhos mais marcantes de Tezuka sem sombra de dúvidas. Se você não tiver paciência para ver uma série inteira, lembramos que há um filme, de 2009 com Nicolas Cage.

imagem 03

Black Jack

Este é bem pouco conhecido no Brasil, sobretudo porque a versão em anime apenas passou no finado canal Animax. Também não tem a ver com o jogo de cartas blackjack, mas sim um trocadilho com o nome do jogo – com o personagem se chamando Jack e o Black de “sombrio”.

De fato o é. A obra conta a história de um médico que trabalha sem registro no conselho de medicina (ou seja lá qual for a instituição compatível que expede licença para médicos no Japão). O interessante é que o autor é médico de formação mas nunca a exerceu – talvez por isso faça sentido o interesse dele pelo assunto aqui.

Em suma, é como se Black Jack fosse um médico do mercado negro – trata de casos que são complicados e arruma soluções quase que sobrenaturais para tanto. Hm, será que a série americana House foi inspirado nele? Não dá para saber. Mas a próxima obra que vamos lembrar tem mais chances de ter inspirado um trabalho ocidental.

imagem 04

Kimba, the White Lion

Um dos primeiros animes transmitidos no Brasil – pela Tv Tupi, e a primeira animação japonesa produzida em cores, ainda nos anos 1960. Estamos falando de Kimba, um pequeno e fofo leão branco. A história trata da missão de Kimba em suceder seu pai após fugir de seu habitat – o pai fora morto por caçadores.

Parece familiar? Pois é. Muitas pessoas apontam que O Rei Leão, animação dos anos 1990 da Disney, teve vários conceitos plagiados da aventura imaginada por Tezuka. De fato há algumas semelhanças, a começar pelo nome dos protagonistas (Kimba na versão de Tezuka e Simba na versão da Disney). Além disso, o enredo trata do pequeno leão tendo que suceder seu pai – embora em O Rei Leão o pai, Mufasa, tenha sido morto por outro leão e não por caçadores humanos. De toda forma, quando Kimba volta à selva depois do exílio, o Rei Bobo não fica nada feliz em saber que o herdeiro legítimo voltou – soa um tanto quanto familiar com a raiva de Scar, de fato.

Não vamos entrar em polêmicas, até porque Tezuka nem era mais vivo quando a animação da Disney foi feita. Poderíamos ficar até amanhã contando várias obras de Tezuka aqui. De fato ele foi um dos responsáveis pelos animes e mangás serem populares como são hoje. Como você viu, o primeiro anime da TV japonesa é de sua autoria. O primeiro colorido, idem. A visão criativa de Osamu é extensa através de outras obras: existe até mesmo uma satirizando o ditador alemão Adolf Hitler. Desde sua primeira em 1946 com O diário de Ma-chan até outras exibidas no Brasil (Don Drácula e Visitantes do Espaço, para citar alguns exemplos), a influência do autor é absurdamente extensa e vários conceitos criados por ele ainda estão presentes em diversos mangás e animes japoneses. Não a toa ele é conhecido por “O Pai do Mangá Moderno”.