Conheça Andy Baio, o homem que realizou uma experiência “gamística” com seu filho!

Avatar

Filho1
Que todos nós amamos games, isso é fato. Mas será que amamos tanto esse mercado tão expansivo, à ponto de pôr uma experiência como esta à seguir em prática?

Imagine que um pai, está fazendo um experimento com seu filho de 10 anos, fazendo com que ele jogue cronologicamente, videogames que marcaram época.

O primeiro jogo que Andy Baio, deu à seu filho, Eliot, foi Galaxian, de 1979. Elliot já experimentou nessa primeira década de vida, muita coisa. Segundo seu pai, Andy, o objetivo da experiência é “permitir que o garoto explore a história [dos jogos] e veja como ela se transformou ao longo das décadas”.

Elliot começou a se aventurar no mundo dos games com ainda quatro anos, e jogou, cronologicamente Galaxian (1979), Rally-X (1980), Bosconian (1981), Dig Dug (1982), Pac-Man (1980), Super Pac-Man (1982), Pac-Man Plus (1982), e Pac & Pal (1983).

Seus consoles posteriores foram: O Atari 2600, Nintendo 8-bits, Super Nintendo, e por ai foi. Segundo o pai de Eliot, nem todos os consoles serão utilizados, apenas aqueles que foram “mais importantes para a indústria”.

filho 2

Outro ponto que vale ressaltar, é que sabemos que a dificuldade dos games de antigamente, era altíssima, e Andy garante que Eliot simplesmente não sente as dificuldades de não ter indicação de onde ir, ou do que fazer.
Em seu perfil no Twitter, Andy diz que Eliot zerou o primeiro Zelda, precisando da ajuda do pai apenas na nona Dungeon do jogo:

Eliot também realizou o feito de coletar as 120 estrelas em Super Mario 64… COM APENAS 6 ANOS! Além de não ter qualquer tipo de problema em zerar os primeiros games da franquia Mega Man:

De acordo com o pai, o experimento terminou próximo do aniversário de 10 anos de Eliot. O garoto, estava no período de jogos como Metal Gear Solid : Snake Eater,  Shadow of Colossus, God of War, etc.

Andy conseguiu fazer algumas constantações durante os “testes” com seu pequeno Padawan. Entre eles:

  • Eliot consegue apreciar um jogo sem se apegar a fatores tão estéticos, uma vez que foi exposto a toda a nostalgia do passado;
  • O rapaz não se liga em notas ou avaliações de jogos, tendo a habilidade de curtir um game à sua maneira, com foco em gameplay;
  • O experimento transformou o rapaz num jogador assustadoramente habilidoso em tudo o que joga.

Andy completou dizendo, “A exposição de Eliot bem cedo a jogos com gráficos limitados inibiram a exigência por gráficos ultrarrealistas encontrados atualmente nos games AAA. Ele pode apreciar um visual retrô à sua maneira e focar em gameplay. Minha esperança é que esse experimento tenha instigado um gosto por jogos menores e que sejam mais íntimos à experiência dele”.

E aí, você encararia um teste desses?