“A Linha”, narrativa em realidade virtual, é finalista do Emmy Awards

Avatar

Conduzida pela melodia de um autêntico chorinho brasileiro composto pelo estúdio Ultrassom Music Ideas, uma narrativa interativa em realidade virtual pode trazer para o país o prestigiado troféu do Primetime Emmy Awards, o principal prêmio global dado a obras e profissionais da indústria televisiva. “A Linha”, uma produção do estúdio ARVORE dirigida por Ricardo Laganaro, conta com trilha sonora original assinada por Gilson Fukushima e Ruben Feffer, que compôs com Gustavo Kurlat a trilha do longa de animação “O Menino e o Mundo”, indicado ao Oscar em 2016.

“É um privilégio e um orgulho estar novamente envolvido em uma obra capaz de dar dimensões globais à cultura brasileira, especialmente por meio da música. Indicações a prêmios como esse mudam a forma como o mercado internacional enxerga a produção audiovisual brasileira e certamente ajudará a abrir portas para nossos talentos”, analisa Ruben Feffer, fundador e diretor musical da Ultrassom.

“A Linha” conta uma delicada e envolvente história de amor que se passa em uma miniatura da cidade de São Paulo em 1940. Os personagens principais são dois bonecos presos às suas rotinas: Pedro, um entregador de jornal, e Rosa, uma florista. “Naturalmente, as trilhas sonoras ajudam na condução rítmica da trama e adicionam camadas de emoção à narrativa. Porém, no caso de ‘A linha’ essa relação é ainda mais profunda porque a interação dos usuários com a experiência dá andamento ao seu desenvolvimento. Conceitualmente, uma trilha de VR se aproxima mais até do teatro do que do cinema”, diz Feffer.

Todo o processo de produção do áudio, do pré ao pós, incluindo som e música, durou cerca de quatro meses e envolveu um time de 11 profissionais da Ultrassom. Nesse período, foram diversos testes e visitas ao estúdio da ARVORE, em São Paulo.  “‘A Linha’ é uma história de 15 minutos que mexe com a emoção das pessoas, as fazem refletir, e precisávamos de uma trilha sonora que espelhasse essa sensibilidade e ao mesmo tempo trouxesse um forte aspecto de identidade brasileira, sem necessariamente ser caricato ou muito distante do público internacional. ARVORE e Ultrassom trabalharam muito próximas o tempo todo e o resultado, combinando chorinho com trechos de valsa, ficou lindo”, diz Ricardo Laganaro, diretor de “A Linha”.

Premiada como “Melhor Experiência em VR” no 76º Festival de Veneza, “A Linha” chega ao Emmy como finalista na categoria “Outstanding Innovation in Interactive Media”. O resultado será revelado em setembro pela Academy of Television Arts & Sciences (ATAS).

Mais informações sobre a Ultrassom Music Idea e seus trabalhos estão disponíveis no site www.ultrassom.com ou no perfil do Instagram.